domingo, 26 de abril de 2009

Acontecimentos...

Olá, tudo jóia?!

Está tudo muito corrido estes tempos.

Em relação a documentação, não estávamos conseguindo tirar a declaração da PF pela net então pedimos direto na Superitência Regional e ficou pronto na sexta. Ainda tem um processo que apareceu na declaração da justiça que nem fazia idéia.

O processo já era para ter sido instinto mas ainda está lá e, agora, teremos que correr atrás para tirar o dito cujo e deixar tudo "limpinho" como, por sinal, já era para estar.

Então a entrega da documentação está neste rolo... torço e farei de tudo para que tudo se resolva logo.

Outra coisa são os nossos pequenos...

Na semana retrasada fomos chamados pela escola para falarmos sobre o nossos filhos. Conversa vai e vem, e percebemos que o projeto Canadá e todas estas mudanças (casa, saída de uma atividade, cofrinho...) estão mexendo muito com eles e estão muito ansiosos.

Nem preciso dizer como ficamos, afinal, ao pensarmos estar fazendo a coisa certa para os meninos, compatilhando o máximo com eles e com antescedência, na verdade os angustiamos.

Para se ter uma idéia, pelo plano de saúde, é obrigatório o encaminhamento do pediatra para o psicólogo. Quando estávamos conversando com o médico dos meninos, contamos por alto o que era. O Dr. estava meio arredio para conceder os encaminhamentos, uma vez, que os meninos nem estavam lá. Porém, quando percebeu que estávamos falando de um projeto de um ano, que realmente vai acontecer e, acho, que ele percebeu um pouco o nosso nervosismo, já foi fazendo o encaminhamento e disse, sorrindo:

- Aposto que vocês já falaram de urso polar, neve e estas coisas todas...

- Ué mas é claro!!! - Falamos na bucha, rs...

A moral é que não importa falar sobre fatos, coisas futuras que não são a realidade deles, pois assim como o Canadá, somente contribuirá para que eles imaginem como serão as coisas daqui a um ano... o melhor é deixar que as questões surgam deles e não o contrário. Para ilustrar ele ainda perguntou para Alessandra:

- O que você acharia se eu lhe falasse que daqui a um ano você vai para Chechênia, rs....

Enfim, é muita coisa para uma idade que não tem noção do que fazer e, por isso, estão tão ansiosos. Não fazem a menor idéia do que farão no Canadá e a nossa tentativa de compartilhar tudo com eles, não está ajudando tanto...

Nós estamos mais calmos em falar sobre a imigração com eles, e a sessão de esqui, snowboard que rolava na net acabou. Agora seguimos um conselho antigo da minha vó... Cada coisa tem o seu lugar e o seu momento...

Enfim, nada de alarmar, estamos felizes e retos na nossa caminhada e, o melhor, agora um pouco mais calmos... ;o)

Por uma providência, esta semana recebi a mensagem de lançamento do livro A Formiga Cindy que conta a história de uma família brasileira recém chegada no Canadá. Vejamo site http://www.heloisaribeiro.com/

Grande abraço a todos!

Rogério Lima

5 comentários:

Ma disse...

Oi Rogério!!!
o processo a dois já é estressante, imagino com crianças envolvidas... deve ser barra!!!

mas vai dar tudo certo, acredite!!!

abraço e boa semana!!!

Chocólatra disse...

Rogério,
Essa parte dos filhos realmnt é difícil...sempre tentamos fazer o melhor mas nem sempre foi o caminho certo a tomar...eu percebi que minha pequena estava ansiosa e coloquei-a na natação e parei um pouco de falar sobre...
Eu acho que na verdade a nossa ansiedade é que passa pra eles!
Abraço

Taty disse...

Ah, essas coisas de "como dizer e quando dizer coisas para crianças" é realmente complicado.... tem que tomar cuidado mesmo... boa sorte...

Temperatura Máxima no Canadá disse...

Olá,

Aqui em casa não falamos nada pra ninguém até estarmos um pouco mais certos do que estava acontecendo, principalmente, para nossos pais. Temíamos que eles tb sofressem a mesma anciedade que a gente.
Que bom que agora está tudo se acertando por aí, criança supera tudo muito rápido, é saúde pura...hehehe

Abração,

Rosi

disse...

Rogério
Vamos seguir as orientações q. vcs. tiveram. Afinal, temos filhos tb., e nnão havíamos visto a situação por essa perspectiva. É hora de slow down, e deixar a coisa rolar mais serenamente.
Abraços