terça-feira, 7 de agosto de 2007

Despreendimento

- Mas nós vamos vender tudo o que temos?

Esta foi a pergunta que a Alessandra me fez hoje pela manhã.

Às vezes temos muito apego em nossas coisas e fica até difícil quando pensamos em deixá-las.

Toda vez que pensamos sobre a imigração, vem na cabeça que nossos filhos não verão a troca da bandeira todo mês na esplanada, não faremos churrasco no parque da cidade, não sentirão o prazer de fazer hapell no Sudoeste ou nas cachoeiras perto de Brasília, não sentirão a adrenalina ao correr dos cachorros que perseguem nossa bike quando descemos para o minhocão (UnB), não brincarão de garrafão, pique lobo, passa anel, salada mista, bete ou carniça, no fim do ano não vão para o pantheon da liberdade tomar chapinha e depois escorregar no gramado do Congresso, não vão passar em frente ao palácio e falar para os guardinhas que eles têm a cabeça de papel, não descerão as ladeiras com carrinho de rolimã, não estudarão no Colégio Madre Carmen Sallés ou Leonardo da Vinci e nem sentirão a angústia de pedalar no nosso cerrado no mês de agosto.

Com certeza não verão muitas das coisas que vivemos ou presenciamosm, mas isto não é o fim da picada. O legal é que passaremos de pais que mostram aos filhos nossos lugares prediletos para pais que os filhos mostram tais lugares e, muitas vezes, nos ensinarão sobre assuntos cotidianos de nossa vida.

As crianças são os maiores beneficiados de todo o processo, seja pela facilidade que adaptam ao meio ou pelas novas descobertas que farão. Como li em um outro post, as nossas crianças são os meninos dos olhos do governo canadense, serão os verdadeiros canadenses, nós seremos os instrumentos para mostrar a eles um novo local ou uma nova vida e faremos isto tudo com o maior prazer, pois não tiraremos dos pequenos toda a alegria que encontrariam em nosso "mundo" mas ampliaremos e acrescentaremos coisas e acontecimentos a realidade deles.

Assim, não podemos achar que a imigração é um fim de uma história, que nunca mais voltaremos ao Brasil e tudo o que vivemos será perdido, o processo é o continuar de uma história de imigrantes que buscam uma nova e melhor realidade.

Deixar as "coisas" para trás faz parte do processo, ainda mais que estas coisas nos ajudarão a ir para frente, pois serão o nosso sustento por um período que pode ser grande.

Então vamos!! Deixe tudo para trás e vamos viver com paixão, alegria, vamos viver e fazer acontecer!!!

Rogério

2 comentários:

Fer & Rê disse...

olá...
vcs não nos conhecem... mas li esse seu post e me fez lembrar a fase em que estamos chegando.. de saber que não devemos se apegar nas coisas materiais...
isso é um grande problema.. principalmente para nós mulheres... por isso não me espanta a Alessandra perguntar se terão que deixar tudo....
Infelizmente ou diria FELIZMENTE: VIDA NOVA!!!!!
Desejamos um bom começo pra vcs...
Vcs já têm idéia de qual cidade irão ficar?
abraços

Sandro e Família disse...

Rogerio

Para o inicio de uma nova vida vai ser importante se desfazer de tudo antigo e começar do zero.
Quanto a Ottawa sou meio suspeito para falar pois sempre fui apaixonado por essa cidade e se tivesse que escolher um lugar para morar na Costa Leste seria Ottawa. Prepare-se para o frio do inverno onde já peguei 30 graus negativos...mas sobrevi e vcs com certeza tambem se acostumarão.

Abraço